IMPORTÂNCIA DA TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EaD)

Este espaço apresenta uma reflexão do que caracteriza a tutoria no processo de Educação a Distância.

Slide1 Slide2Slide3Slide4Slide5Slide6Slide7Slide8Slide9Slide10Slide11

Anúncios

TI COM FOCO NA EDUCAÇÃO:

ESPAÇO RESERVADO PARA COMPARTILHAR CRIAÇÕES E RECRIAÇÕES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM UTILIZANDO A TECNOLOGIA!

Olá pessoal;

Vou aproveitar este espaço que estou reservando especialmente para compartilhar com vocês as minhas criações e recriações que podem ser utilizados como  objetos educacionais a serem aplicados em sala de aula e explorados da forma que desejarem. O objetivo neste espaço é mostrar que a tecnologia pode ser utilizada de forma bastante rica e variada, e os conteúdos pode ser explorados de forma trans e interdisciplinarmente com o objetivo de motivar os nossos alunos.   Sintam-se à vontade, portanto,  para curtir e deixar as suas sugestões, pois elas são super bem-vindas!!

Super abraços!!!

Maritza


Vamos iniciar este espaço com a demosntração de uma história em quadrinhos, na qual foi basicamente utilizado o Microsoft PowerPoint, o kadenlive e, imagens/sons do Google e de blogs das Monster High.

Sugestão: Ele pode ser utilizado em processos de alfabetização (objeto motivador em atividades de leitura); ou como modelo na criação de histórias em quadrinhos, por exemplo.

As Monsters High

  https://youtu.be/oAZ7NLhtGz8

Instalação do JOOMLA

1 Joomla

Para iniciar a instalação do Joomla optou-se por efetuar o download diretamente do site do desenvolvedor, as seguintes etapas foram necessárias para instalação do joomla: download do joomla, criando o banco de dados Joomla, instalação e configuração do joomla, seleção do idioma, verificação de pré-instalação, licença, configuração do banco de dados, configuração do ftp, configuração principal, fim do processo, administração joomla e  janela de gerenciamento .

1.2 Download do Joomla

No endereço eletrônico http://www.joomla.org, efetuou-se o download do Joomla.  Este CMS é fornecido em um arquivo compactado, logo, foi efetuada uma descompactação dele escolhendo a pasta de destino www (DocumentRoot) do servidor Apache.

1.3 Criando o Banco de Dados Joomla

A criação do Banco a ser utilizado pelo Joomla, foi feita mediante acesso através do PHPMyAdmin, onde criou-se uma Database chamada Joomla.

1.4 Instalação e Configuração do Joomla

Após a criação do Banco de Dados, foram feitas a instalação e configuração do Joomla, propriamente dito. E isto deu-se intuitivamente via browse em sete etapas como será apresentado a seguir.

1.4.1 Seleção do Idioma

Figura 1 – Fase 1 da instalação

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

No primeiro passo (Figura 6) foi feita a escolha do idioma local, no caso, pt-BR(Português-Brasil)

1.4.2 Verificação de pré-instalação

Figura 2 – Fase 2 da instalação

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

A etapa 2 é a checagem de parte das configurações recomendadas para o PHP, e compreende de um conjunto de diretivas (ex: Exibir Erros) que asseguram a total compatibilidade com o Joomla. No caso de descumprimento (destacado como Não) contudo, o Joomla ainda poderá funcionar ok.O segundo passo (Figura 2), é o momento da instalação onde o software realiza testes de verificação e de pré-instalação que compreendem basicamente de duas etapas: na primeira, ele faz uma varredura nos pré-requisitos necessários para a compatibilidade do sistema. Caso alguns dos itens (ex: Versão PHP >= 4.3.10), não seja suportado (destacado como Não), deverá ser corrigido pois caso contrário criará uma possibilidade de que a instalação não funcione corretamente.

1.4.3 Licença

Figura 3 – Fase 3 da instalação

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Neste Passo ele nos apresenta a Licença GNU/GLP, como já foi visto anteriormente, o Joomla é um Script ou Software, OpenSource que pode ser baixado e utilizado livremente. (Figura 3)

1.4.4 Configuração do Banco de Dados

Figura 4 – Fase 4 da instalação

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Como vimos anteriormente, após efetuar a instalação do MySql Sever, e da criação do banco de dados ‘Joomla’ como foi verificado no tópico 5.1.6.2. Ele necessita ser vinculado ao Joomla para poder ser visto pela ferramenta. Para tal, foi adotada a configuração básica, visto que a instalação inicialmente foi efetuada localmente. (Figura 4).

1.4.5   Configuração do FTP

Figura 5 – Fase 5 da instalação

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Neste passo não será necessária a configuração FTP, visto que inicialmente ele foi configurado localmente. E para isso em configuração básica, foi selecionado o ‘Não’ e em configurações Avançadas, o servidor FTP, foi direcionado para o ‘localhost’, porta 21 e sem senha FTP. (Fig. 5)

1.4.6 Configuração Principal

Figura 6 – Fase 6 da instalação

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Nesta etapa (Fig. 6), da configuração principal propriamente dita, daremos o nome ao nosso portal ‘Educandoviatecnologia’ e será confirmado o endereço de email e a senha de administrador.

1.4.7 Fim do Processo

Figura 7 – Fase 7 da instalação

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

O fim da instalação de fato, se dará mediante a remoção do diretório installation, localizado no diretório raiz e, que é condição necessária para o processo continuar normalmente. (Figura 7)

1.4.8 Administração Joomla[1]

 Figura 8 – Janela de Login após a conclusão da instalação

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

A partir deste passo (Figura 8), de posse do usuário e senha de administrador, pode-se ingressar no painel de controle e administração do portal do Joomla.

1.4.9 Janela de Gerenciamento do portal/site

Figura 9 – Janela de Administração após o Login

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Fonte: Screenshot de Oliva (2005)

Por meio desta janela de administração do Joomla (Figura 9) é possível, realizar Logins dentro ou fora do back-end do administrador, além de permitir alterar a aparência do site, conferir à primeira página um estilo diferente das outras páginas, auxiliar o administrador dando ao site de busca (motor de busca) uma interface amigável, procurando otimizações; permitindo que o site fique temporariamente offline e/ou seja transferido de um diretório/sub-diretório a outro. Favorece neste caso, a possibilidade de migração de versões e adaptação do portal, futuramente, para o inglês e o espanhol.

Entre as características[2] principais encontram-se:

  • Gerenciar Conteúdo
  • Administrar Usuários
  • Editar artigos
  • Gerir acessos
  • Administrar Menus
  • Gerenciar Templates
  • Possui guia de segurança
  • Gerenciador de extensões e plugins
  • Administrador de documentação, projetos e tarefas abertas

[1] As característica e vantagens do espaço administrativo do Joomla, foi extraído do site oficial no endereço eletrônico: https://docs.joomla.org/Portal:Administrators

[2] Informações extraídas do site do Joomla: http://www.joomla.org/about-joomla.html

Instalação Servidor Web Apache, da linguagem de programação PHP e Instalação do SBGD MySQL

1 Instalação Servidor Web Apache

Figura 1 – Primeira Interface Não Gráfica da Instalação do Apache

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Para instalação do Apache optou em utilizar a versão que se encontra no repositório do GNU/Ubuntu. Assim, utilizando o comando apt-get install apache2 efetuou-se a instalação. (Figura 1)

2 Instalação da linguagem de programação PHP

Figura 2 – Segunda Interface Não Gráfica da Instalação do Apache

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Para instalação do PHP utilizou a versão foi utilizada a versão encontra no repositório do GNU/Ubuntu, ela foi instalada utilizando o comando apt-get install php5 (Figura2).

Na figura 2 juntamente com o interpretador do PHP foi instalado o modulo libapache2-mod-php5, que fornece o modulo do PHP5 para o servidor Apache, desde modo, o PHP pode ser interpretado pelo servidor, caso ele não fosse instalado por default teríamos que instalá-lo para que a integração entre apache e PHP ocorresse.

Figura 3 – Terceira Interface Não Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Além disso, foi necessário a instalação do pacote php5-mysql através do comando apt-get install php5-mysql (figura 3) . Este pacote “[…]fornece módulos para conexões ao banco de dados MySQL diretamente a partir de scripts PHP[…]” ( https://packages.debian.org/pt-br/wheezy/php5-mysql  ).

3 Instalação do SBGD MySQL

Figura 4 – Quarta Interface Não Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu 

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Na instalação do MySQL também optou por instalar a versão do repositório do  GNU/Linux Ubuntu, para isso foi  utilizado o comando apt-get install mysql-server (Figura 4)

Tutorial de Instalação do GNU/Ubuntu 14.04

1 Instalação do GNU/Ubuntu

Na  instalação do  Sistema Operacional GNU/Ubuntu, optou em utilizar a versão 14.04  que é um versão  de  Longo Tempo de Suporte(LTS)  , pois,  o suporte por parte da empresa desenvolvedora da distribuição é muito maior( 5 anos) quando comparado as versões normais (1 ano) , deste modo, não será necessário a cada  1 ano  migrar o ambiente para uma versão mais nova do SO, mesmo que ele forneça fermentas automáticas de migração, as incompatibilidade podem existir entre os diversos componentes que executam no servidor, bem como, as versões LTS são do ponto de vista de segurança e funcionamento muito mais estável.

A figura 1 mostra a primeira interface gráfica da instalação do GNU/Ubuntu , em nossa instalação foi  selecionado o idioma português.

Figura 1 – Primeira Interface Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

A Figura 2 mostra a segunda interface gráfica da instalação, foi marcado o checkbox “Baixar atualizações enquanto instala”, assim, o termino da instalação não será necessário executar os comandos “apt-get upgrade” no shell para atualizar o sistema operacional, com relação ao checkbox “instalar esses os programas de terceiros” optamos em não instalar, pois, o servidor não terá aplicações que envolva estes recursos instalados.

Figura 2 – Segunda Interface Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

A figura 3 exibe a terceira interface gráfica da instalação, nele foi escolhido radio button “Apagar disco e instalar o ubuntu”, nesta opção ele cria todo o particionamento automático, como não se pretende fazer nenhuma configuração avançada no particionamento ou na escolha dos tipos de arquivo, esta opção se mostrou a mais adequada.

Figura 3 – Terceira Interface Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Após clicar no instalar agora a instalação do SO mostra um alerta, mostrando as partições criadas e as que serão formatadas, conforme a Figura 4.

Figura 4 – Alerta de Mudanças e Formação na Instalação do GNU/Linux

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

A Figura 5 exibe a quarta interface gráfica da instalação, nele é solicitado a localização, foi selecionado o estado do Rio de Janeiro, por se a opção encontra mais próxima do estado do Espírito Santo

Figura 5 – Quinta Interface Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

A Figura 6 exibe a sexta interface gráfica da instalação, nele é solicitado a disposição do teclado, não foi alterado nenhum das opções.

Figura 6 – Sexta Interface Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

A Figura 7 exibe a sétima interface gráfica da instalação, nesta é solicitado “O seu nome:”, “o nome do seus computador” e o usuário do mesmo

Figura 7 – Sétima Interface Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

A figura 8 exibe a oitava interface gráfica da instalação, nela o Sistema Operacional começa o seu processo de obtenção dos arquivos necessários a atualização, bem como, o pacote de idioma, ambos foram selecionados respectivamente e nas interface segunda (figura 2) e primeira (figura 1)  e para depois iniciar a sua instalação no disco rígido do servidor.

Figura 8 – Oitava Interface Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

A figura 9 exibe a nona interface gráfica da instalação, na qual a instalação do sistema operacional informa que a instalação foi concluída e é necessário reiniciar o sistema, para começar a utilizar o SO.

Figura 9 – Nona Interface Gráfica da Instalação do GNU/Ubuntu

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Fonte: Screenshot de Oliva (2015)

Pronto chegamos ao fim e agora é só reiniciar.

Vídeos para começar a trabalhar

Para assistir aos vídeos, basta acessar os links, baixar os arquivos compactados e depois clicar no arquivo html para visualizar.

Roni Costa – Blog Educacional – Criando e Inovando na sala de aula:

http://www.4shared.com/zip/uO3MrZLRce/Blog_Educacional.html

Olga Rodrigues – Construindo textos em Blogs

http://www.4shared.com/zip/tg_io3_Qce/videoolga.html

Maritza Oliva – Criando e inserindo um Avatar em um Blog Educacional

http://www.4shared.com/zip/m_peTkSIce/Criando__Avatar_Blog_MAOG.html

Projeto sobre a Importância dos Blogs nas EaD

TENDÊNCIAS E POSSIBILIDADES PARA A EaD

 

Blogs . Blogs existiam muito antes da discussão sobre web 2.0. Todavia, os novos serviços de criação e hospedagem, aliados à possibilidade de receber os conteúdos através de agregadores RSS, tornaram os blogs realmente populares. Blogs não são apenas ferramentas para atividades jornalísticas e intelectuais individuais, mas espaço para debate, construção conjunta de conhecimentos e criação de redes sociais. Há várias possibilidades de uso pedagógico de blogs em atividades educacionais. A questão tecnológica não constitui barreira, pois os processos de criação e edição são tarefas relativamente simples. Anotações de aula, produção de textos, apresentação e discussão de projetos escolares, preparação de eventos, relatórios, análise de obras literárias e reflexão sobre temas específicos são apenas algumas das possibilidades. A criatividade pessoal e coletiva determinará a utilização. Como os blogs são informais, escritos a partir do ponto de vista pessoal, blogs de alunos podem enfocar muitas vezes interesses próprios e nem sempre assuntos do curso ou da disciplina. Em todo caso, o uso de blogs é um ponto de partida para reflexões e mudanças nos papéis desempenhados por professores e alunos, com alunos assumindo um papel cada vez mais proativo.

Extraído de fonte: VOIGT, E. Web 2.0, e-learning 2.0, EaD 2.0: Para onde caminha a educação a distância?  Abril, 2007 . <http://www.cnj.jus.br/sesap/ead/bibliotecadigital/handle/123456789/38&gt; Acessado em: 15/05/2014